BANHO PARA HIGIENE DO BEBÊ RECÉM-NASCIDO

Olá! Hoje vamos falar sobre o banho para higiene do bebê recém-nascido!

O banho para higiene tem a principal finalidade de manter o bebê limpo, evitar infecções e assaduras. Outras formas de banho, como o banho de ofurô, como vimos na postagem anterior, podem proporcionar relaxamento e conforto, estimular a circulação sanguínea, fortalecer o vínculo entre os pais e o bebê, além de retomar as memórias do período gestacional onde o feto permanecia mergulhado no líquido amniótico.

O banho para higiene deve ser dado diariamente, no entanto, não precisa lavar a cabeça todos os dias, especialmente em época de inverno, pois pode diminuir a temperatura do corpo. As partes que precisam ser higienizadas diariamente são da região genital e as mãos.

O horário vai ser estabelecido pela família. No entanto, um bom critério é ver a reação do bebê ao banho. Caso ele se acalme com o banho, um bom horário seria o final do dia, mas se ele se agita ou fica mais desperto, o melhor período seria o da manhã.

É importante lembrar que o bebê, principalmente o recém-nascido, não possui a regulação da temperatura estabelecida como um adulto e sua pele é mais fina e menos protegida contra agressões, por isso, o banho para higiene deve ser realizado com água morna e de forma rápida.

Muitas vezes a hora do banho pode ser um momento de estresse e muito choro para o bebê, principalmente aos recém-nascidos, devido às novas sensações de ser manipulado, ao contato da água com a pele e ao possível frio. Existem algumas técnicas para diminuir esse estresse e proporcionar o relaxamento no banho, como a utilização da água morna, ser prático e rápido e usar o enrolamento do corpo do bebê com a toalha, evitando assim a perda de calor como será descrito a seguir.


Antes de iniciar o banho, lembre-se sempre de preparar o ambiente e separar o que será utilizado durante e após o banho, justamente para reduzir o tempo em que o bebê fica molhado e logo realizar o aquecimento com a roupa.

Sendo assim, vamos mostrar a seguir como preparar o ambiente e o banho:

  • O ambiente deve ser, preferencialmente, um local fechado e sem corrente de ar, devendo desligar o ar condicionado, ventiladores e fechar as janelas;
  • É importante para os pais, antes de iniciar o banho do bebê, higienizar as mãos com água e sabão, além de retirar as jóias e manter as unhas curtas para não arranhar a pele do bebê;
  • Separar o material de higiene do bebê como:
    • sabonete líquido neutro glicerinado;
    • gazes ou algodão e álcool a 70% para limpeza do coto umbilical (umbigo);
    • toalha para secar;
    • roupinha de acordo com a temperatura do ambiente;
    • manta e fraldas que serão usadas após o banho para vestir o bebê e aquecê-lo;
    • pente ou escova, caso seja um bebê já com cabelo;
  • Preparar a banheira para o banho devendo sempre limpá-la antes do uso com água e sabão;
  • Preparar a água para o banho mantendo-a morna para o banho (para confirmar se a temperatura está ideal, deve-se derramar a água nas costas da mão ou na parte interna do antebraço. Esse procedimento facilita a percepção da temperatura da água).
  • Deve-se ter uma jarra com água morna para enxaguar no final.

Após o preparo do ambiente, vamos mostrar a seguir o passo a passo de como realizar o banho do bebê:

1) Retire toda a roupinha, menos a fralda, e enrole o corpinho do bebê em uma toalha deixando a cabeça descoberta;
2) Segure o bebê adequadamente, apoiando a cabeça com uma das mãos e tapando cada ouvidinho do bebê com o polegar e o dedo médio, para não permitir a entrada de água. O restante do corpo do bebê ficará apoiado no braço. A outra mão ficará livre para passar o sabonete e enxaguar;
3) Inicie o banho pelo rosto molhando levemente com a mão. O algodão pode ser utilizado para limpar os olhos com cuidado, somente utilizando a água, para não irritar o rosto do bebê. A seguir, lave os cabelos com o mesmo sabonete usado no corpo. Após a lavagem, apoie o bebê na cama e seque o rosto e os cabelos com a toalha.

4) Agora retire a toalha e a fralda. Verifique a fralda antes desta etapa, e se houver xixi ou cocô, fazer a higiene da genitália do bebê com algodão umedecido apenas com água para não sujar a água limpa da banheira.

5) Posicione o bebê apoiado com o dorso e o pescoço no seu antebraço, sentado na banheira ou bacia. Para ter segurança ao segurar, utilize o polegar e o indicador para envolver a axila do bebê mais distante de você. Dessa maneira ele ficará firme na posição e suas costas apoiadas;


6) Utilize pouco sabão e com a mão livre lave o pescoço, as mãos e braços, o tronco, o umbigo, a genitália (sempre da frente para trás), as pernas e os pés. Após isso, enxágue para retirar o sabão;
7) Vire o corpo do bebê girando-o e apoiando seu peito no mesmo braço usado para apoiar o dorso, mantendo os braços do bebê por cima do seu antebraço. Lave as costas e o bumbum;


8) Use a água separada para enxaguar por completo. Após isso, retire o bebê da banheira, enrolando-o na toalha;

9) Seque seu corpo todo delicadamente, em especial as dobras, genitália, bumbum e entre os dedinhos das mãos e dos pés. Após isso, vista a fralda deixando o umbigo de fora (realize a limpeza do mesmo com gaze e álcool a 70% de baixo para cima não devendo encostar na pele do bebê como já falamos na postagem de cuidados com o umbigo).

10) Por fim, vista o bebê para aquecê-lo, mas caso esteja frio primeiro vista o bebê e depois realize o cuidado com o coto umbilical (umbigo).

Outras informações importantes:

-Não utilize talco nem perfume nos bebês para evitar a ocorrência de alergias ou outros problemas respiratórios.

-Utilize sempre que possível, para limpeza das fezes do bebê, algodão umedecido com água. Para a água ficar morna, pode ser utilizada uma garrafa térmica. Deve-se evitar o uso de lencinhos umedecidos perfumados porque também podem causar alergia.

-Evite as roupas de lã e dê preferência aos tecidos de algodão, pois eles irritam menos a pele do bebê;

-Nos dias frios, proteja o bebê com roupas e cobertas apropriadas;

-Lave as roupas com sabão de coco. Ao lavar, enxágue bem para remover qualquer resíduo. Após a lavagem, você pode passá-las a ferro bem quente;

-Evite uso de amaciantes e alvejantes;

-Prefira sempre lavar as roupinhas do bebê separadamente das roupas dos adultos.

Qualquer dúvida sobre este ou outro tema, nos escreva!


Referência: Silva, Leila Rangel da. S586 Mãe & bebê pós-parto : orientações para o cuidado no domicílio / Leila Rangel da Silva [et al.]. – Rio de Janeiro : UNIRIO/PROExC, 2013. 72p. : il. ; 30 cm
.

Texto produzido por: Acadêmica de Enfermagem Beatriz Valim Egito do Amaral, Mestranda PPGSTEH Vanessa Cristina de Vasconcelos Grossi e Profª Drª Cristiane Rocha.

SONS DO ÚTERO

Olá! Vamos conversar sobre outra forma de relaxar e acalmar seu bebê. Nesta postagem vamos falar sobre os sons do útero!

Quem pensa que o bebê está em um ambiente silencioso, sem ruídos, está enganado. Dentro do útero o bebê pode escutar os sons, dia e noite, dos órgãos da mãe em funcionamento. Sons do coração, da respiração, do estômago, intestino, movimentos corporais…imagina quantos sons juntos!

Os estudos sobre o desenvolvimento do feto mostram que a partir da 12ª semana de gestação já se pode começar a ouvir estes sons, ficando com mais pureza por volta da 20ª semana. Assim, percebemos que os sons ouvidos no útero se tornam muito familiares até seu nascimento.

Desde a década de 1990, evidências científicas indicam que o bebê sente um grande bem estar ao ouvir estes sons. Dessa forma, utilizamos a simulação desse barulho intrauterino, por acreditarmos que isso traz ao bebê uma memória afetiva de segurança e conforto, conforme acontecia no útero. Por isso, com esta técnica, conseguimos obter o efeito de acalmar o bebê.

Fonte: Google Imagens

É usada, geralmente, até os 3 meses de idade, pois, a partir deste tempo de vida extrauterina, o bebê já começa a perceber melhor o mundo ao seu redor, e essa técnica vai, pouco a pouco, perdendo a sua eficácia.

Existem alguns aplicativos de celular, bem como alguns vídeos disponíveis na internet que reproduzem os sons do útero. Um exemplo é o aplicativo Baby Sleep Sounds, que pode ser usado até sem internet. Há também aplicativos, como o Sleep Baby Sleep, entre outros, em que os sons podem ser programados para tocar durante um tempo específico.

Experimente utilizar o som do útero associado com as técnicas de acalmar o bebê que foram ensinadas nas postagens anteriores.

Qualquer dúvida sobre este, ou outro tema, nos escreva!

Texto escrito por: Acadêmica de Enfermagem Carolina Siciliano da Luz e Profa. Dra. Cristiane Rocha

Referências:

https://www.minhavida.com.br/familia/materias/35339-som-do-utero-para-acalmar-o-bebe-funciona

https://bebe.abril.com.br/desenvolvimento-infantil/e-verdade-que-o-som-do-utero-acalma-os-bebes/

MASSAGENS

Olá! Vamos conversar sobre mais uma forma de relaxar e calmar seu bebê. Assim, neste texto, vamos falar sobre a massagem. Quem nunca relaxou com uma massagem?

A massagem abrange várias partes do corpo com benefícios para cada uma delas. Na barriga, os movimentos auxiliam o funcionamento do intestino e estômago. Quando o bebê fica de costas, ela estimula a coluna vertebral. A movimentação de braços, mãos, pernas e pés contribuem para o desenvolvimento da musculatura e o desenvolvimento motor, facilitando movimentos como rolar, sentar, engatinhar e andar. Além disso, faz o estímulo da consciência corporal.

A massagem ajuda o bebê a ficar mais tranquilo e menos choroso. Aumenta o vínculo com os familiares, além de aliviar as cólicas e garantir um sono proveitoso. Durante a realização da massagem, deve-se olhar para o bebê, conversar com ele, elogiar, falar sobre o amor e o carinho que sente por ele, contar histórias e falar sobre cada parte do seu corpo com a voz suave e tranquila.

Não se deve realizar a massagem após as mamadas, pois, além de atrapalhar o processo de digestão, o estômago cheio pode induzir o vômito. Também não se deve realizar este procedimento se o bebê estiver com febre, diarréia ou resfriado.

Descrevemos agora os seguintes passos para a realização de uma boa massagem:

Etapas da Massagem :
1) Antes de iniciar a massagem: lembre-se de higienizar as mãos, retirar as jóias e garantir que as unhas estejam curtas para não arranhar o bebê. Prepare um ambiente calmo, com baixa luminosidade e temperatura agradável. Se o ambiente não estiver aquecido, deixe o bebê vestido na parte do corpo em que não está realizando a massagem. Pode-se colocar uma música instrumental tranquila ou sons da natureza.

2) Preparo do bebê: deite o bebê de frente para você, com a barriguinha para cima. Utilize um pouco de óleo vegetal para facilitar o deslizamento das suas mãos na pele do bebê. São indicados os óleos de amêndoas, camomila, calêndula, ou outro de sua preferência, desde que não possua um odor muito forte. Coloque uma pequena quantidade do óleo nas mãos e esfregue-as para ganhar calor. Comece com movimentos suaves no tórax do bebê. Esta fase serve para que a criança vá se adaptando gradativamente ao toque. Pode ocorrer um chorinho no início, mas logo ela vai sentir o bem-estar, o conforto e a segurança.

3) Inicie pelo tórax: junte as mãos espalmadas no tórax do bebê. Com movimentos lentos e com suave pressão, deslize as mãos em direção aos ombros. Volte na posição de início e repita três vezes.

Fonte: Cartilha mãe & bebê, 2013.


4) Em seguida vá para os braços e mãos : trabalhe muito bem com as mãos do bebê. Comece abrindo-a com a ajuda de seus dedos, depois com a sua mão espalmada na mão do bebê vá deslizando para cima e para baixo. Por último, massageie cada dedinho. Após a sequência, passe para a outra mão. Apoie os braços do bebê em uma de suas mãos e com a outra deslize suavemente em direção à mãozinha. Quando encontrar a sua mão com a mãozinha do bebê, segure o punho com delicadeza e deslize a mão que estava apoiando em direção à axila do bebê. Repita no outro braço.

Fonte: Cartilha mãe & bebê, 2013.

5) Posteriormente continue nas costas e abdome: vire o bebê delicadamente e massageie as suas costas com movimentos suaves do centro para as laterais. Coloque o bebê novamente de barriga para cima. No sentido do relógio, usando as duas mãos, devagar, faça círculos na barriga do bebê. Ao completar o círculo, retire uma das mãos e repita o movimento.

Fonte: Cartilha mãe & bebê, 2013.

6) E termine nas pernas e pés: delicadamente, segure com uma das mãos o tornozelo do bebê e com a outra mão deslize pela parte interna da perninha com movimento em direção à virilha. Retorne sua mão ao tornozelo e quando suas mãos se encontrarem, faça o mesmo movimento do lado externo da perna. Repita na outra perninha. Assim como as mãos, dê uma atenção especial aos pés. Massageie a sola do pé, fazendo movimentos circulares com o polegar. Em seguida, trabalhe o tornozelo com os mesmos movimentos. Finalize a massagem acariciando cada um dos dedinhos. Repita no outro pezinho.

Após a massagem, não há necessidade de retirar o excesso de óleo, pois, a pele do bebê vai absorver. Vista o bebê e leve-o para os seus braços envolvendo-o com muito carinho. É provável que, logo em seguida, o bebê adormeça.

Qualquer dúvida sobre este, ou outro tema, nos escreva!

Texto produzido por: Acadêmica de Enfermagem Carolina Siciliano da Luz, Mestranda PPGSTEH Vanessa Cristina de Vasconcelos Grossi e Profa. Dra. Cristiane Rocha.

Referências: Silva, Leila Rangel da. S586 Mãe & bebê pós-parto : orientações para o cuidado no domicílio / Leila Rangel da Silva [et al.]. – Rio de Janeiro : UNIRIO/PROExC, 2013. 72p. : il. ; 30 cm

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso. Brasília: MS; 2015. 96 p.

LEBOYER, F. Shantala: uma arte tradicional, massagem para bebês. Editora Ground, 8 ed. 2009.

BANHO DE OFURÔ

Olá! Vamos continuar nossa conversa sobre as formas de relaxar e acalmar o bebê. Para isso, vamos abordar nesta postagem a técnica do banho de ofurô. O ofurô é um banho relaxante realizado em um balde. A intenção é reproduzir um pouco da fase aconchegante dentro do útero materno. O balde deve ser utilizado, apenas para o banho e tem que ter as bordas arredondadas.

O ideal é que o balde seja de um tipo específico, próprio para este uso, para não correr o risco de cortar a pele do bebê, por conta de fiapos e arestas de plástico. Outra vantagem, é que o balde próprio possui o fundo antiderrapante e é menos propenso a tombamentos, pois tem um centro de gravidade mais baixo, que o torna bem estável.

O banho de ofurô não substitui o banho normal do bebê, ele é utilizado para o relaxamento, para uma melhor e mais rápida adaptação do recém-nascido ao novo mundo. As mães podem continuar com o ofurô até quando desejarem e até quando for confortável, tanto pra ela, quanto para o bebê.

Você vai precisar dos seguintes materiais: balde próprio para ofurô, água morna, toalha de pano feita com “tecido de fralda” (opcional), toalha comum, fralda e roupa para o bebê e/ou manta (escolha a roupa mais prática de colocar). Prepare o ambiente para que não tenha corrente de ar e permaneça aquecido. Feche janelas e portas.

O bebê fica numa posição bem parecida com a que ficava no útero. As pernas e braços ficam encolhidos e o bumbum fica apoiado no fundo do balde, porém, apesar de o neném ficar bem estável no balde, não se pode deixá-lo solto, pois existe o risco de afogamento. Por esse motivo, também é necessário manter a atenção com a quantidade de água, para que não ultrapasse a altura do peito. É preciso sustentar o pescoço caso o bebê ainda não consiga fazer isso sozinho.

A água deve ser limpa e aquecida (morna), em torno de 370 C. Para recém-nascidos, podemos utilizar o banho de ofurô com o bebê enrolado em uma toalha de tecido fino. Por isso sugerimos o tecido tipo “fralda de pano” na lista de materiais descrita acima.

Não é aconselhável colocar sais de banho ou outros produtos, pois isso pode irritar as vias respiratórias do bebê, e até mesmo resultar em um processo alérgico mais grave. Sobre o tempo de banho, não é específico, mas geralmente, dura de 10 a 15 minutos. Pode acontecer de o bebê dormir e isso não tem problema. A temperatura é o fator determinante para fim do banho, devendo o bebê ser retirado do balde, assim que for percebido que a água não está mais aquecida.

Retire o bebê com cuidado e enrole imediatamente em uma toalha e após secar, coloque uma roupa de fácil manejo para que não retire do bebê o efeito do relaxamento que o banho proporcionou. Se adormecer no banho, podemos colocar somente a fralda e enrolar em uma manta e caso esteja frio, vista também uma touca.

O banho de ofurô, além de auxiliar no relaxamento do bebê, alivia cólicas e proporciona um sono mais tranquilo. Veja algumas imagens, retiradas do google imagens, que demonstram o efeito deste relaxamento. A primeira figura é de um recém-nascido com o pano enrolado e dentro do ofurô, a segunda e a terceira mostram o bebê um pouco maior.

Texto produzido por: Acadêmica de Enfermagem Carolina Siciliano da Luz e Profa. Dra. Cristiane Rocha

Fontes:

Minha Vida: https://www.minhavida.com.br/familia/tudo-sobre/736-shantala

https://www.minhavida.com.br/familia/materias/35339-som-do-utero-para-acalmar-o-bebe-funciona

Bebê Abril: https://bebe.abril.com.br/familia/shantala-aprenda-passo-a-passo-a-fazer-a-massagem-que-os-bebes-adoram/

https://bebe.abril.com.br/desenvolvimento-infantil/e-verdade-que-o-som-do-utero-acalma-os-bebes/

G1 Globo: http://g1.globo.com/to/tocantins/noticia/2014/02/bebes-tomam-banho-em-ofuro-para-reproduzir-sensacoes-do-utero.html

Guia do Bebê: https://www.guiadobebe.com.br/banho-de-balde-para-os-pequeninos/

COMO ACALMAR O BEBÊ PELA ORGANIZAÇÃO DA POSTURA

Olá! Vamos conversar sobre formas de acalmar o bebê pela organização da postura.  Existem várias maneiras para acalmar o seu bebê quando ele está chorando e já foram eliminadas todas as possíveis causas que descrevemos na postagem anterior “Choro do bebê”.

Uma forma de acalmar  é fazendo a “organização da postura do recém-nascido”. Você já reparou que o recém-nascido não fica com o corpo bem esticado? Suas pernas e braços são flexionados, isso porque tinha essa postura na barriga da mãe. As paredes do útero seguravam bem ele.

Assim, o recém-nascido sente muita falta de sua postura no útero, se sente solto e isso gera um desconforto que pode se transformar em choro como uma tentativa de comunicação.

Vamos ver então, duas formas de manter essa postura:

A) ENROLANDO O RECÉM-NASCIDO NA MANTA.

Para este procedimento, será necessária uma manta com o tamanho de, aproximadamente, o dobro da altura do bebê. As imagens a seguir mostram o passo-a-passo desta técnica.

  1. A manta tem quase o dobro do tamanho do bebê. Estique bem em uma superfície, evite dobras para não machucar o bebê, normalmente se usa uma cama.
  2. Dobre uma das pontas. Pode ser para dentro ou para fora. Na imagem colocamos para dentro para melhor visualização, mas se houver bordados no pano, é melhor colocar para fora.
  3. Coloque o bebê no pano com a cabeça um pouco para fora da dobra.

4. Coloque o bracinho para cima do corpo e dobre um dos lados.

5. Coloque a ponta para baixo do corpo do bebê fazendo uma leve pressão no pano para o bebê ficar amparado pelo tecido.

6. Dobre a ponta debaixo para cima.

7. A ponta que sobra colocamos para dentro.

8. Agora coloque o outro bracinho para cima do corpo e envolva o bebê com a ponta restante.

9. Finalize ajustando o pano para fazer a leve pressão necessária para amparar o corpo do bebê e coloque a pontinha restante para baixo do bebê.

B) UTILIZAÇÃO DO NINHO.

O ninho pode ser comprado pronto ou pode ser confeccionado por alguém da família. É importante que ele seja de um tamanho em que toda a sua volta fique em contato com o bebê. Ele também pode ser usado associado à manta que vimos anteriormente. Existem vários modelos, o importante é escolher aquele que permita o ajuste conforme o bebê cresça. Pode ser usado de 0 a 7 meses. É sempre bom lembrar do efeito de organização da postura, aconchego e segurança que queremos causar no recém-nascido com o uso destes recursos.

Qualquer dúvida sobre este, ou outro tema, nos escreva!

CHORO DO BEBÊ

Olá! Vamos conversar sobre o choro do bebê.  Os pais e familiares tendem a ficar muito angustiados quando o bebê chora. Esse sentimento não é necessário, já que o choro do bebê é o meio de comunicação para dizer que precisa de algo.

A grande dificuldade está em descobrir o que ele quer. Essa descoberta ocorre aos poucos. No entanto, sabemos que existem algumas causas principais para o choro do bebê. São elas: calor, frio, roupa incômoda, querer mudar de posição, troca de fralda, querer afeto, cólicas, sono, sede e fome

Com estas dicas podemos verificar a causa do choro. Caso o choro seja persistente é necessário levar ao pediatra para avaliar.

É importante saber que, até os 3 meses, muitos bebês estranham o mundo fora do útero. Este é um período de adaptação, requer paciência dos pais e familiares com a impaciência deles diante do novo mundo, um mundo que tem roupa, banho, toque, sons, luzes, sensações de fome, frio e calor. É muita coisa para essa pequenina pessoa!

A implementação de rotinas só começa a ser possível após esse período de três meses de adaptação fora do útero e a organização da família se torna necessária para que, aos poucos, o bebê consiga trocar menos o dia pela noite e tenha seus horários de sono, banho, passeio para banho de sol e brincadeiras.

Alguns cuidados como enrolar na manta, massagens, banho de ofurô, ouvir o som do útero, atenção e carinho ajudam os pequenos nesta adaptação. E falaremos de forma mais detalhada de cada um destes cuidados nas próximas postagens.

Qualquer dúvida sobre este, ou outro tema, nos escreva!

CUIDADOS COM O UMBIGO (COTO UMBILICAL)

Olá! Vamos conversar sobre a limpeza do umbigo.  É muito importante este cuidado para evitar infecção e também para ressecá-lo e fazê-lo cair.

Um medo muito frequente das mães é de causar dor ao manipular o umbigo. Fique tranquila, isso não ocorre, já que no umbigo não existe inervação (sensores da dor).

Você vai precisar de algodão ou gaze ou cotonete e álcool 70%.

Comece sempre lavando bem as suas mãos antes deste cuidado.  Umedeça a gaze (ou o algodão, ou o cotonete) com o álcool 70% e passe da base do umbigo para cima com uma leve pressão. Lembre-se que se somente encostar a gaze com álcool não fará a limpeza corretamente.

Um erro comum é jogar o álcool na gaze enrolada no umbigo. Isso pode queimar a pele do bebê.

O procedimento correto deve ser feito após o banho e depois das trocas de fraldas, mas cuidado! Após a troca da fralda, não esqueça de lavar as mãos para realizar a limpeza do umbigo.

Sugiro não realizar este cuidado durante a madrugada,  mesmo depois das trocas de fralda, porque, normalmente, a mãe estará muito cansada e a lavagem das mãos pode não ficar adequada, levando ao risco de contaminar o umbigo.

Mantenha o umbigo para fora da fralda. Assim evitamos que suje com urina e fezes. Caso isso aconteça, lave com água e sabão e depois passe o álcool 70%. E não coloque outros objetos e faixas, pois podem trazer contaminação.

Leva em torno de 7 a 14 dias para o umbigo cair. Após sua queda, pode haver um pouco de sangramento no local. É importante continuar com a limpeza, porém, a partir desta fase, é melhor utilizar o cotonete com o álcool 70% após o banho até que tenha cicatrizado completamente.

Qualquer dúvida sobre este, ou outro tema, nos escreva!

FIGURA: CARTILHA MÃE & BEBÊ, 2013.

HISTÓRICO DO EECMB

Esse é nosso primeiro contato, portanto escrevo um pouco sobre “O Espaço Educativo para o Cuidado de Mãe e bebê (EECMB)”, que é um projeto de extensão da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro com o objetivo de trazer informações sobre a gestação, parto e puerpério para as mulheres e seus familiares.

Este projeto foi criado em 2010 pela Professora Dra. Leila Rangel e desenvolvido em conjunto com a professora Dra. Inês Maria Meneses dos Santos e por mim, Professora Dra. Cristiane Rodrigues da Rocha. O atendimento e as ações educativas ocorriam somente de forma presencial no Hospital Universitário Gaffrée e Guinle e no Hospital Maternidade Carmela Dutra.

A necessidade de ações contra o COVID-19 nos fizeram utilizar esta ferramenta para continuar trazendo a nossa população informações de qualidade baseada em evidências científicas. É um momento de grande aprendizado para todos nós. Por este meio, pretendemos sanar as dúvidas e construir muitos conhecimentos juntos!

Um forte abraço! Até breve!

Cristiane Rocha

%d blogueiros gostam disto: